Porque Deus Mandou Construir o Tabernáculo?

Estudos Bíblicos23 Setembro, 2014Por Israel do Nascimento Silva


Os Israelitas estão aos pés do Monte Sinai, e um dos maiores pilares de sua herança eterna é lançado. Deus diz para Moisés:

"E me farão um santuário, e habitarei [betochan] no meio deles." Êxodo 25:8

A construção do Mishkan, o Santuário portátil, que acompanhará os Hebreus durante a sua jornada pelo deserto, é iniciada. Ele serviria como um precursor do Beit haMikdash, a Casa Santa, o Templo que seria erguido em Jerusalém.

Se o objetivo final era a construção do Templo em Jerusalém, porque Deus ordena que os Israelitas fizessem o Tabernáculo?

Primeiramente, a Torá introduziu no mundo o conceito sublime da onipotência e onipresença de Deus, que pode ser encontrado e adorado em qualquer parte do mundo. E se Deus é onipresente, porque Ele necessitaria de um "endereço espiritual"?

Não estariam os Hebreus limitando Deus, ao construírem uma "casa" para Sua habitação? De modo semelhante, Abravanel também questionou no seu comentário sobre o Tabernáculo:

Porque Deus determinaria a construção do Santuário, se Ele não pode ser corporalmente definido, ou limitado a um local específico?



Uma das abordagens da Midrash (a Tradição Oral) afirma que a ordem para a criação do Mishkan, o Tabernáculo, foi em resposta ao pecado do עגל הזהב egel hazahav, o bezerro de ouro.

O Êxodo, entretanto, traz a narrativa do Tabernáculo sete capítulos antes do episódio do bezerro de ouro. A abordagem da Midrash sobre o Tabernáculo, requer uma reorganização do texto, seguindo o princípio do Ein mukdam umeuchar ba'Torah - o texto bíblico não segue, necessariamente, a ordem cronológica dos acontecimentos.

Esta reordenação da narrativa, nos permite lançar nova luz sobre o simbolismo complexo do Templo e do santuário do Senhor, uma vez que o Tabernáculo não fazia parte do plano original de Deus para o seu povo.

Deus não precisava de um "Santuário feito por mãos de homem". O ser humano, este sim é quem demonstrou precisar, por causa da sua imaturidade e inabilidade de se relacionar com o Criador.

O povo de Israel estava já sem esperança, distanciado de Deus, após pecar adorando a um bezerro feito de ouro. O Senhor, contudo, ultrapassa essa fissura profunda no relacionamento com os filhos de Jacó, para mostrá-los o caminho de volta à casa do pai.

Era necessário um intermediário. E é aqui que entra o Tabernáculo, com todas as suas simbologias do sacrifício expiatório do ungido do Senhor, trazendo uma nova oportunidade para o povo se aproximar de Deus.

Se entendidos de forma própria, vemos que cada detalhe, dos rituais e utensílios do Tabernáculo traz uma mensagem de que Deus desejava ardentemente se fazer acessível ao homem, e perdoá-lo.

O Senhor começa um processo de revelação ao homem, de como deveria corrigir os seus caminhos para chegar à perfeita comunhão com Ele, que futuramente levaria ao entendimento do Sacrifício eterno de Jesus.

templo de salomãoSalomão Construiu um Lugar Santo.



E Habitarei Dentro Deles

"E me farão um santuário [מִקְדָּ֑שׁ mikdash], e habitarei no meio deles [בְּתוֹכָֽם betochan]." Êxodo 25:8

Dois padrões linguísticos surgem, se observarmos cuidadosamente o mandamento para a construção do Mishkan, o Tabernáculo. As palavras "no meio deles" em hebraico correspondem ao termo בְּתוֹכָֽם betochan - que significa "dentro deles".

E porque Deus afirmaria que "habitaria dentro deles", em paralelo com a ordem para se fazer o Tabernáculo? Ainda, na ordem para erguer o Tabernáculo, Deus usa uma palavra genérica, que não significa exatamente o termo "Tabernáculo".

Tabernáculo em hebraico é Mishkan. Mas no Êxodo 25:8 o Senhor fala de um מִקְדָּ֑שׁ mikdash - que traduzido é, "um lugar santo". Porque a Torá usa este termo genérico "um lugar santo"? Este é o único texto em que o Tabernáculo não é tratado por seu nome real, "Mishkan".

Acompanhando a temática bíblica, esta passagem faz muito sentido. O Êxodo diz, "e habitarei dentro deles", porque Deus não habitou no Tabernáculo e nem habitaria, mais tarde, no Beit haMikdash, o Templo de Salomão.

Séculos depois, na histórica consagração do Templo em Jerusalém, שלמה מונרך , Shlomo haMelech, o Rei Salomão, deixou este entendimento muito claro:

"Mas, na verdade, habitaria Deus na terra? Eis que os céus, e até o céu dos céus, não te poderiam conter, quanto menos esta casa que eu tenho edificado.

Ouve, pois, a súplica do teu servo, e do teu povo Israel, quando orarem neste lugar; também ouve tu no lugar da tua habitação nos céus; ouve também, e perdoa." 1 Reis 8:27, 30

Os sentimentos de Salomão foram brilhantemente antecipados pela Torá, logo no início, na ordem para edificar o Tabernáculo. O texto declara "e habitarei dentro deles", para enfatizar que o propósito do Santuário era trazer Deus para dentro da vida do Seu povo.

Malbin vai ainda mais profundo em seu comentário, sobre a frase "e habitarei dentro deles", quando diz que os Israelitas foram ordenados não somente a construir um Santuário físico, mas a constituir um Santuário no interior de seus próprios corpos, de ordem espiritual, dentro de suas almas.

Eles são instruídos a criar "um lugar santo", para Deus "habitar dentro deles", nas suas almas e nos seus corações.

"Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei.

Disseram, pois, os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias? Mas ele falava do templo do seu corpo." João 2:19-21

É semelhante o entendimento da palavra genérica מִקְדָּ֑שׁ mikdash - um lugar santo. Muitos comentaristas afirmam que este termo reflete o caráter de uma obrigação eterna. O povo de Deus recebeu este mandamento para edificar um lugar santo, não apenas em um ponto da história, mas eternamente.

O rabino Ohr Hachaim nos ensina que o termo mikdash, um lugar santo, traz uma lição muito bonita aos nossos corações. Alguém poderia esperar que o Santuário só se tornaria santo após a sua consagração a Deus.

Entretanto, ao se referir ao Santuário, imediatamente como "um lugar santo", a Bíblia transmite a ideia verdadeira de que o Templo é santo desde o momento em que os Israelitas começam a criá-lo.

Ou seja, o Templo é santo, desde o momento em que os Israelitas decidem obedecer à voz de Deus. A santidade é criada neste mundo quando o homem age em acordo com a vontade divina.

Quando o homem obedece a Deus, ele imediatamente é investido da santidade, pois é santificado pelo Senhor.

"Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando." João 15:14



Leia Também:

tabernáculo tenda
O Tabernáculo e o Bezerro de Ouro
Os Israelitas cantaram e se alegraram sobre o Santuário do Senhor, o
jesus liberta da escravidao
A Bíblia Apóia a Escravidão?
Nós certamente sentiríamos muito mais confortáveis se Deus tivesse proibido
aquele que me ama cumpre os meus mandamentos
Deus Está Nos Detalhes
Se tomares em penhor a roupa do teu próximo, lho restituirás antes do pôr do sol, Porque
Comentários