José é Lançado na Prisão no Egito

Estudos Bíblicos18 Janeiro, 2014Por Israel do Nascimento Silva


O capítulo 39 do Gênesis inicia nos informando que José foi levado ao Egito, e vendido a Potifar, capitão da guarda de Faraó.

Logo lemos que José era bem sucedido em tudo que fazia, e Potifar o colocou sobre toda a sua casa, pois, “SENHOR estava com José” Gênesis 39:2.

Até que chega mais um dia fatídico na história da vida do filho mais novo de Jacó: a mulher de Potifar, vendo que não conseguiria seduzir José, arma uma cilada e ele acaba por ser lançado na prisão egípcia.

“Então falou-lhe conforme as mesmas palavras, dizendo: Veio a mim o servo hebreu, que nos trouxeste, para escarnecer de mim; E aconteceu que, levantando eu a minha voz e gritando, ele deixou a sua roupa comigo, e fugiu para fora.

E aconteceu que, ouvindo o seu senhor as palavras de sua mulher, que lhe falava, dizendo: Conforme a estas mesmas palavras me fez teu servo, a sua ira se acendeu.

E o senhor de José o tomou, e o entregou na casa do cárcere, no lugar onde os presos do rei estavam encarcerados; assim esteve ali na casa do cárcere” Gênesis 39:17-20

Seja Bacharel em TEOLOGIA! Curso Completo e Sem Mensalidades!

O Tempo de Deus e o Tempo do Homem

Hoje em dia nós pensamos no Gênesis como um livro que lemos ao nosso tempo, na velocidade de leitura que for mais confortável pra nós. Isso é muito facilitado, porque a nossa bíblia está dividida em capítulos e versículos (iniciada na idade média), o que torna a leitura algo muito mais fácil de se fazer.

Mas nem sempre foi assim. O Pentateuco (os livros de Moisés), também chamado de Torá (ensinamento) pelos judeus, foi originalmente dado aos hebreus na revelação do Sinai. E era dividido em 54 partes ou porções denominadas de parashá.

Cada divisão parashá recebeu um título que deriva da palavra principal ou da primeira palavra do texto. A parashá era lida em voz alta e em forma de canções, lida diretamente dos rolos de pergaminho.

Foi Moisés quem estabeleceu que se deveria ler uma parashá da Torá a cada manhã do Shabat (sábado).

O Gênesis é divido em 12 seções dessas. E a história de José está escrita em meio a duas divisões chamadas de Vayeshev e Miketz . Normalmente não há muitas significâncias nas divisões das passagens, que foram feitas com o propósito de proporcionarem uma melhor compreensão do texto. Mas neste caso há algo muito sugestivo que vale a pena estudarmos.

josé interpreta o sonho do copeiro chefe de faraóJosé na Prisão do Egito.

Seja Bacharel em TEOLOGIA! Curso Completo e Sem Mensalidades!

A parashá Vayeshev termina na parte em que José do Egito, já na prisão, depois de haver interpretado corretamente o sonho do copeiro-mor de Faraó, pede que ele o ajudasse ser libertado:

“Dentro ainda de três dias Faraó levantará a tua cabeça, e te restaurará ao teu estado, e darás o copo de Faraó na sua mão, conforme o costume antigo, quando eras seu copeiro” Gênesis 40:13

“Porém lembra-te de mim, quando te for bem; e rogo-te que uses comigo de compaixão, e que faças menção de mim a Faraó, e faze-me sair desta casa” Gênesis 40:14

“Porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e tampouco aqui nada tenho feito para que me pusessem nesta cova” Gênesis 40:15

Mas o copeiro-mor não cumpre o pedido de José, e a última linha da parashá Vayeshev aponta para este fato declarando:

“O copeiro-mor, porém, não se lembrou de José, antes se esqueceu dele” Gênesis 40:23

É assim a Vayeshev termina, e nos tempos antigos, quando não havia livros ou bíblias disponíveis a todos, quando o texto tinha que ser lido em rolos de pergaminhos nas sinagogas judaicas (era assim no tempo de Jesus) aqueles que não conheciam a história de José teriam que esperar mais uma semana, até o outro sábado, para saberem o restante da história (cada parashá era lida apenas uma vez por semana).

Era algo que aumentava muito o suspense em torno do destino de José do Egito. Assim, a história de José continua em outra porção do Gênesis chamada de Miketz. E as primeiras palavras da parashá Miketz, no capítulo 41 do Gênesis são “ao fim de dois anos inteiros”:

“E aconteceu que, ao fim de dois anos inteiros, Faraó sonhou, e eis que estava em pé junto ao rio” Gênesis 41:1

É aqui que o suspense da espera de uma semana entre uma parashá e outra, para se continuar a ouvir a passagem bíblica, e o suspense da vida de José se correlacionam. Se nós estivéssemos nos tempos em que o texto foi escrito, teríamos esperado uma semana para sabermos o desfecho desta história.

E José teve que esperar dois anos inteiros. Talvez sua esperança de ser liberto da prisão já estivesse acabando. Mas alguma coisa acontece, e que “refresca” a memória do copeiro-mor, Faraó tem sonhos.

E ele sente que seus sonhos tem algo de muito significante. Ele ordena aos seus חרטום hartumim (magos, intérpretes de mistérios) que lhe digam o seu significado.

Mas todos eles falham em interpretar os sonhos de Faraó. Foi só então que o copeiro-mor se lembra de José, que tinha detalhadamente interpretado seu próprio sonho dois anos antes.

“E aconteceu que pela manhã o seu espírito perturbou-se, e enviou e chamou todos os adivinhadores do Egito, e todos os seus sábios; e Faraó contou-lhes os seus sonhos, mas ninguém havia que lhos interpretasse” Gênesis 41:8

José é então tirado da prisão, vestido adequadamente é apresentado a Faraó. Ele interpreta os sonhos de Faraó e propôs soluções para os problemas que eles revelaram – sete anos de fome depois de sete anos de fartura.

José é então nomeado vice-rei do Egito, acima dele havia somente Faraó:

“Tu estarás sobre a minha casa, e por tua boca se governará todo o meu povo, somente no trono eu serei maior que tu” Gênesis 41:40

A escuridão que dominou a narrativa anterior, com José estando injustamente na prisão, se dissipa e a história se encaminha para um lindo “conto de fadas”. Mas a mensagem principal desta passagem não parece ser o “final feliz” em que o texto vai se movendo, antes ele nos ensina sobre o tempo dos planos humanos e o tempo certo da resposta divina.

José é nomeado vice-rei do egito por faraóJosé é Nomeado Vice-Rei do Egito por Faraó.

Seja Bacharel em TEOLOGIA! Curso Completo e Sem Mensalidades!

“E aconteceu que, ao fim de dois anos inteiros” – José buscou por sua liberdade, e ele conseguiu, mas não no tempo em que ele imaginava. José teve que esperar. Alguma outra coisa teve que intervir, os sonhos de Faraó.

O intervalo de uma semana, que havia na leitura das duas parashás envolvidas na história de José, servia como um instrumento que nos faz entrar na sensação de desapontamento que deveria ter invadido a alma de José, quando foi esquecido pelo copeiro-mor.

A sensação de abandono, esquecido numa prisão que era mais como uma “cova”, e o tempo passando, e lentamente a esperança se esvaindo. Há algo muito mais profundo nesta história que precisamos decifrar. Imagino a sua angústia, a sua tristeza, a agonia de ser um inocente relegado a tamanho esquecimento.

A Providência Divina na Vida de José

Mas José foi liberto, entretanto, não da forma como ele esperava. Dois anos tiveram que se passar, e outro evento inesperado, o sonho de Faraó teve que acontecer. A Torá está sinalizando para algo que devemos atentar, está nos falando da natureza da providência de Deus.

Nada na vida de José do Egito acontece por acaso. Há sempre a mão divina em todos os aspectos visíveis e invisíveis. A história de José pode ser lida em dois níveis. No nível superficial ela é uma história sobre seres humanos e seus relacionamentos familiares. Não é uma historinha com final feliz.

É uma história em que os irmãos estão preparados para vender seu próprio irmão mais novo, sua própria carne e sangue à escravidão. O copeiro-mor, depois de ser liberado da prisão, imediatamente se esquece do seu colega de cela, e não intercede em seu favor.

A vida real é assim, pessoas traem pessoas, sonhos são apenas sonhos, esperanças são muitas vezes lançadas contra as rochas da realidade. Este é o ponto em que a primeira parte da história de José termina.

Mas quando os acontecimentos começam a se desenrolar na segunda parte desta história, nós percebemos que, em um nível mais profundo, outra força vem trabalhando juntamente. Deus estava monitorando toda a sequência de eventos, fazendo intervenções estratégicas para assegurar que o resultado final acontecesse conforme a sua vontade.

Aqui isto não é tão claro como no Êxodo. Lá a mão de Deus na forma das dez pragas, ou como na divisão do mar, é manifesta. Já na história de José não é assim. O agir de Deus é meio que oculto, é preciso sensibilidade para ler o que está além da superfície, pois Deus está atuando em um nível mais profundo.

E a história de José é mais do que somente uma história sobre José do Egito. Ela é sobre cada um de nós, e sobre a delicada, sutil e nem sempre aparente intervenção divina ao nosso favor.

Às vezes nós temos apenas alguns poucos sinais do agir de Deus em nossa vida. Muitas vezes nós temos nossas orações respondidas, mas não no tempo em que esperávamos ou da maneira que pensávamos.

Em alguns casos, a resposta veio quando já tínhamos perdido a esperança. A providência existe, mas as coisas não acontecem simplesmente porque nós queremos. A nossa vida faz parte de um planejamento muito maior do que imaginamos.

O que José descobriu na lacuna de tempo entre as duas partes de sua história é que além de termos iniciativa, é preciso paciência, humildade e confiança. Se nossas orações são legítimas, Deus irá respondê-las, mas não necessariamente quando ou do modo que queremos.

Esse é o significado da parashá Miketz, “E aconteceu que, ao fim de dois anos inteiros”, devemos fazer a nossa parte e Deus fará a dele. Mas entre estes dois há um vazio, e é preciso ter fé para vencê-lo.

Algumas vezes, é somente após muitos anos, quando olhamos para trás é que conseguimos reconhecer as marcas que a providência de Deus deixou em nossas vidas.



Leia Também:

jacó dá o manto a josé
A Tragédia de Rúben - Relacionamento Entre Pais e Filhos
Se Rúben soubesse que o Santo de
josé se torna o governador do egito
José Se Torna Governador do Egito
E José não apenas interpreta os Sonhos de Faraó, mas
José do Egito com a aparencia de um principe
José Reencontra Seus Irmãos
José, vendo os seus irmãos, conheceu-os; porém
Comentários